6 razões para não gostar do Pai Natal

November 25, 2012 - João Moreira Pinto

14 Comments

Apesar de não ser radical, já disse aqui que não nutro especial simpatia pelo Pai Natal e explico porquê. Primeiro, ninguém sabe exactamente quem ele é. Será ele São Nicolau, bispo cristão do século IV, que vivia em Myra (cidade da actual Turquia)? Será ele Odin, figura da tradição pagã germânica? Ou será ele uma das tantas outras variações de tradições holandesas, escandinavas e anglo-saxónicas? Como pode um pai deixar que a sua criança se sente ao colo de uma gordo barbudo que ninguém sabe bem quem é?

Segundo, é uma mentira. Mentir é feio, lembram-se? Na qualidade de filho mais novo, cedo soube que o Pai Natal que nos visitava na escola era uma farsa. Pior, todas crianças (e adultos) tinham que alinhar na farsa, se queriam ter o tão desejado presente. Que raio de exemplo damos aos nossos filhos quando lhe enfiamos uma mentira deste tamanho e, pior, os obrigamos a ser cúmplices dela por gerações e gerações futuras.

Terceiro, que raio de chantagem é esta? Porta-te bem, se não o Pai Natal não te traz um presente? Bolas. Porque é que é o Pai Natal a fazer esse julgamento? Porque não o pai e a mãe? Eles é que estão comigo (criança) todos os dias. Eles dar-me-ão um presente, se eu merecer, ou me castigarão, se me portar mal. É estúpido, os pais descartarem-se desta função e passá-las para um terceiro.

Quarto, alimentamos demasiado precocemente o instinto consumista dos nossos pequenos. Todos os anos, lá vem a pergunta: o que vais pedir ao Pai Natal? É a bicicleta, o joguinho, o fato do homem-aranha. Nunca é um jantar com o tio que está longe, um passeio com os pais a um sítio especial, uma música juntos. Tudo o que a criança quer é possuir, porque são os exemplos que lhe damos.

Quinto (consequência do quarto), a pressão económica sobre as famílias torna-se insuportável. É o presente do filho, do primo, do afilhado. Se se estender aos graúdos, há a mãe, o pai, o tio, a madrinha, a avó, aquele amigo que nos fez um favor, o outro que desenrascou qualquer coisa. Por aí fora. É um sufoco, quando a época deveria ser libertadora.

Finalmente, o Pai Natal relega para segundo plano, Aquele que é para mim a personagem principal. Nasceu o Menino Jesus e as crianças só pensam no Pai Natal, na prenda que ele vai trazer, se o sapato está alinhado com a chaminé, se ele é suficientemente grande para caber tudo o que pediram. Cristãos ou não, acho que é óbvio para todos que estamos a substituir celebração da vida (neste caso de Cristo), da liberdade (para quem acredita que ele traz a Mensagem), do Amor e da Família, pelo consumo desmesurado, pelas corridas aos shoppings, pelas filas da caixa, pelos insultos no trânsito, pela prisão ao crédito. Culpa do Pai Natal!

[fonte: motherjones.com]

Partilhe este artigo

João Moreira Pinto

14 thoughts on “6 razões para não gostar do Pai Natal

  • B. Cérise

    2012-11-26 at 00:43

    Ainda não tinha pensado nisto com esta sequência de argumentos, mas não posso deixar de concordar! Ainda não tenho filhos, mas parece-me que não é uma boa ideia começar a incentivar a ideia do Pai Natal por todos estes motivos e principalmente porque as crianças vão querer ter o que muitas vezes não é possível e vão sentir-se defraudadas quando o 'Pai Natal' não lhes pode dar isso. Uma grande hipocrisia, é o que é!
    obrigada João, pela reflexão 🙂
    Ahhh, publiquei no meu facebook um link para este post!

    Reply
  • EMcbeal

    2012-11-26 at 11:44

    Já pensei nisto várias vezes, sendo que odeio tudo o que diga respeito a shoppings. Quando tenho que ir a um fico possuída e só me apetece sair de lá a correr!
    A juntar a isto o facto de ter um filho de 13 meses e este ser o seu primeiro Natal a sério…
    Nasci numa ladeia do interior e o meu primeiro contacto com o pai natal foi quando eu já tinha 9 anos! Era o menino Jesus que nos trazia as prendas, e uma caixa de pintarolas e uns chocolates eram suficientes para ser um dia dia de festa tão esperado! Nunca foi por necessidade que os nossos pais 'só' nos davam pintarolas e chocolates, (e vá lá, havia anos em que havia um brinquedo), mas simplesmente porque era assim! Era a nossa tradição!
    Agora que tenho um filho que está a crescer na cidade, e que já anda na creche, como posso contornar o pai natal?? Aceito sugestões!

    Reply
  • Uba

    2012-11-26 at 17:20

    Tem toda a razão. Mas acho que devemos falar dos dois. 🙂
    Contudo, os meus pais nunca me fizeram acreditar no pai Natal, nem no Menino Jesus… Desconfio que farei o mm com o meu filhote. lol

    Reply
  • goethe

    2012-12-03 at 16:49

    Também ninguém sabe muito bem quem foi Jesus, a não ser que foi baptizado por João Baptista e que foi crucificado por ordem de Pôncio Pilates. O resto toda a gente pode acreditar no que quiser, incluindo Odin ou no Pai Natal, desde que não imponha as suas crenças nos outros. Também partilho da aversão a shoppings, mas não entendo como substituir uma história bem intencionada por outra também bem intencionada vá fazer com que não minta aos seus filhos, eles sejam menos consumistas (já alguém comentou acima que era o menino Jesus que lhe trazia os presentes), a chantagem não seja igual (afinal não nos temos que portar bem porque o menino Jesus ou Deus está a ver? Não é por causa disso que os cristãos se confessam?) Cumprimentos e parabéns pelo seu blog.

    Reply
  • João Moreira Pinto

    2012-12-03 at 16:55

    Obrigado pelo seu comentário. É bom quebrar a unanimidade, de vez em quando. Não crendo entrar numa discussão teológica, porque era provável perdê-la. Apenas lhe respondo que a existência de Jesus Cristo está documentada. Pode ou não acreditar-se nos seus feitos. Eu acredito. Cá em casa, não cultivamos Deus nem Cristo castigadores. Já muitas correntes da Igreja o deixaram de fazer. Não fazemos chantagem com a história do presente do Menino Jesus, pelas mesmas razões apontadas no post. A confissão não se faz com medo da punição. Eu diria, antes pelo contrário.

    Reply
  • bebexik

    2012-12-03 at 22:53

    Concordo plenamente …..
    Eu sempre falei e falo aos meus filhos no menino jesus , e que é o nascimento do menino que estamos a celebrar….até dou muito mais importancia ao presepio que a arvore…..
    Mas o dificil é combater o que aprendem nas escolas….e depois ficam baralhados !!!!
    Cá em casa o Pai Natal é um ajudante do menino Jesus ….

    Reply
  • João Moreira Pinto

    2013-12-04 at 14:15

    Obrigado Tomás. Excelente ideia!

    Reply
  • inesinha

    2013-12-04 at 17:57

    Apena para inicio de conversa…Eu acredito em Jesus…e em toda a sua História.
    Depois sempre me disseram que era o Menino Jesus que me dava os presentes.
    O Pai Natal era apenas um Senhor Velhinho que ajudava o Menino Jesus a distribuir os presentes com o seu trenó e as renas…e é isso que ensino ás minhas sobrinhas.
    Acima de tudo faço-as entender (embora sejam muito pequenas) que o importante no Natal é estar com os Pais, Tios, Primos, Avós e Bisavó. E embora "escrevam" ao Menino Jesus e ao Pai Natal (sim aos dois em conjunto numa so carta) sabem que nem sempre o Jesus lhes pode dar tudo o que elas pedem. Por isso se lhes der apenas uma coisa na lista imensa que pedem já é muito bom, porque existem muitos meninos e meninas que não têm nem um presente.
    Enfim…penso que cada um decide a melhor forma de passar o Natal…mas sem dúvida para mim o melhor hoje em dia e ver a alegria das minhas sobrinhas…muito mais do que eu receber um presente…é passa-lo em familia…isso sim é unico.

    Reply
  • viviana dcm

    2013-12-18 at 00:09

    ADORO! Eu sou argentina e é assim mesmo que pensamos na minha família… e vivemos o Natal com o menino Jesus no nosso coração… agora moro em Portugal e tenho meu marido e minha filha aqui… como família queremos que nossa filha também viva o Natal com Jesus… 🙂

    Reply
  • SN

    2014-01-01 at 23:17

    Como cristã tive dificuldade em engolir o Pai Natal. Mas não consegui exclui-lo. E como diz o ditado. "Se não consegues vence-los, junta – te a eles.
    Há Pais Natal por todo o lado, nas ruas e na escola, na TV. Então inclui – o no nosso Natal e atribui-lhe um papel secundário. Presépios por todo o lado, missas todos os domingos, livros com a história do natal cristão todas as noites.
    Por aqui o Pai Natal colabora com o menino Jesus e são muito amigos.
    E a esfrega natalícia foi tão grande que o meu filho mais velho levou o natal cristão para a sua escola laica. E foi muito giro assistir ao espanto dos meninos que nunca tinham ouvido falar no Menino Jesus.

    Reply
  • João Moreira Pinto

    2014-01-01 at 23:18

    Excelente ideia 😀

    Reply
  • Pingback: E os Filhos dos Outros

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *