Evitar internamentos das crianças é também ser minimamente invasivo

September 18, 2017 - João Moreira Pinto

1 Comment

Há muito que defendo que cirurgia minimamente invasiva não é só fazer incisões pequenas. Para além de evitar cicatrizes, minimizar a dor e os impactos fisiolǵicos de cada cirurgia, é importante reduzir a invasão, seja ela física, psicológica e (porque não) social. Assim, percebe-se facilmente que nós, cirurgiões pediátricos, seremos menos invasivos para as nossas crianças quanto menos vezes a as tivermos que internar ou quanto menor for o tempo do internamento (quando ele tem mesmo que ser). Daí a tentativa cada vez maior de transformar procedimentos cirúrgicos em cirurgia de ambulatório, ou seja, em cirurgia ‘de ir no próprio dia para casa’.

 

Apesar de não ser um conceito novo, a cirurgia de ambulatório para crianças enfrenta ainda algumas restrições/receios de alguns profissionais de saúde. Isso é particularmente visível na cirurgia do pescoço, pelo medo de complicações da via aérea. Mas, num hospital de crianças no Porto onde tive o prazer de me formar, a cirurgia de ambulatório era uma prioridade. Há muitos anos que no ‘extinto’ Hospital de Crianças Maria Pia fazia cirurgia cervical com saída no próprio dia. Isso representava conforto para as crianças, que podiam dormir em casa, no conforto da sua cama.

 

Esse conhecimento foi passado para o Centro Materno Infantil do Norte, onde os profissionais do Hospital Maria Pia se integraram. Cientes de que a cirurgia do pescoço em crianças continua a ser feita em regime de internamento na maioria dos hospitais (portugueses e estrangeiros), decidimos publicar a nossa experiência com uma das cirurgias de pescoço mais complexas: operação de Sistrunk para excisão do quisto do canal tireoglosso (um caroço no pescoço). Mais, para efeitos de ‘prova’ de que não havia diferença em termos de resultados ou complicações, quando as crianças eram operadas em regime de ambulatório ou em regime de internamento, fizemos um estudo comparativo. Esse estudo foi aceite para publicação no International Journal of Pediatric Otorhinolaryngology de Maio deste ano, pelo que a palavra vai se difundindo pela comunidade médica.

 

 

Results: A total of 36 patients were included, with age ranging from 1 to 14 years (mean 6.3 years). Sixteen patients underwent day surgery, and 20 stayed overnight (with less than 24 h postoperative discharge). The main reason to stay overnight was distance (greater than 60 km or 1 h driving) between the hospital and patient’s residence. All patients had histopathological confirmation of the diagnosis. None of the patients had a drain placed intraoperatively. There was only one readmission at 48 h postoperative; a patient who underwent day surgery came back with cervical edema, which resolved with non-operative treatment. Short-term complications included post-operative local wound infection (8,5%) and hematoma (2,9%), none of which required surgical treatment. Conclusions: Sistrunk procedure without drain placement is safe and can be performed in an outpatient setting.

 

Subscreva a newsletter d’E os filhos dos outros, para ir sabendo novidades e sugestões exclusivas. Obrigado.

João Moreira Pinto

One thought on “Evitar internamentos das crianças é também ser minimamente invasivo

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *